Mozilla, fabricante do Firefox, anuncia demissões e grandes mudanças em breve

 

Mozilla, fabricante do Firefox, anuncia demissões e grandes mudanças em breve


Todas as empresas, não importa o tamanho, foram duramente atingidas pela pandemia COVID-19.  É claro que as empresas e organizações menores tiveram mais dificuldade em se ajustar e lidar em comparação com aquelas com mais recursos disponíveis.  Embora não seja exatamente pequeno, os fabricantes do popular navegador Firefox são superados pelo gigante que é o Google e já estavam lutando para encontrar fontes de receita estáveis ​​antes mesmo do coronavírus atingir o mundo.  Agora a Mozilla Corporation, a subsidiária com fins lucrativos da Mozilla Foundation, está anunciando uma “reestruturação significativa”, incluindo a demissão de 250 pessoas.


 Como muitas empresas, a Mozilla tinha grandes planos para 2020 antes que o COVID-19 existisse.  Já estava em processo de encontrar novas fontes de receita para financiar o desenvolvimento do Firefox, bem como de seus outros projetos e produtos.  Recentemente, ela lançou seu próprio serviço VPN por US $ 4,99 por mês como parte da obtenção de dinheiro sem recorrer a publicidade que a comunidade de código aberto desaprova.


 Infelizmente, a Fundação e a Corporação passaram por tempos ainda mais difíceis devido à pandemia e são forçadas a repensar rapidamente sua estratégia e reestruturação.  Como em qualquer reestruturação, isso envolve a redução do quadro de funcionários que chegará a 250 pessoas.  Eles vão receber uma indenização no valor de seu salário integral até o final de 2020, com alguns até recebendo bônus com base em seu desempenho anterior.


 Essas não são as únicas mudanças, é claro.  Quase com um pressentimento, a empresa está anunciando mudanças de foco e mentalidade, focando nos produtos e até mesmo na fabricação de novos produtos.  Ao mesmo tempo, também está se afastando das ferramentas e plataformas internas que podem não estar contribuindo para encontrar novos fluxos de receita ou mesmo custando mais do que o necessário.


 Como isso afetará o desenvolvimento do Firefox ainda não está claro, mas pode incomodar os usuários que já se preocupam com o desenvolvimento bastante lento do navegador.  Também pode causar preocupações sobre o aparente desespero da Mozilla em encontrar fontes de receita que podem, eventualmente, forçá-la a ceder a um modelo de negócios orientado para publicidade  De qualquer forma, não é um bom presságio para um dos maiores rivais do Chrome, que já tem apenas uma fração do mercado de navegadores neste momento.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.